21.10.10

21 de Outubro

A morte é punk. Quero dizer, é PA-PUM. Uma tijolada. Um direto no queixo. No máximo três acordes. É ou não é. Mas é incrível como dá tempo de repassar a vida inteira. Se forçar um pouco, consigo lembrar do exato momento que deixei a barriga da minha velha. Mais ou menos quando algum filho da puta deve ter me deixado bater a cabeça. Como se a vida me desse um aviso, olha só, as coisas não vão ser fáceis.

Houve um tempo que eu contava piadas. Faziam rodas para se ouvir aquelas piadas. “Conta a da caganeira!”. Eu era o bobo da corte, o que fazia as menininhas rirem. Afinal, é preciso ter um escudo, alguma compensação quando se é o gordinho da turma. As coisas não foram muito diferentes com o passar do tempo. Mas é assim que funciona. Quando se é gordo, negro, anão, albino, aleijado ou coisa assim, esperam que você conte piadas, seja legal, passe a cola da prova, dê passagem, dê o lugar, faça silêncio, receba o soco, diga obrigado, agüente firme, tenha fé, comporte-se e seja feliz simplesmente por sobreviver com a caridade de quem é gente-bonita e faz o favor de sorrir para você.

Para mim, as coisas vêm ficando piores. Já não bastava ser gordo, cego de um olho, feio, pau pequeno, não saber dirigir e o rim não funcionar muito bem, a careca vem ficando cada vez maior. Agora têm essas verruguinhas. Minúsculas. No ombro, no braço, no pescoço. Apareceu uma na pálpebra. Outro dia, estava conversando com uma putinha, ela estava encarando, eu tive de dizer, “Isso aqui não é uma remela, é uma verruguinha que nasceu um dia desses”. É a vida mandando um lembrete. “Ei, seu gordo, olhe pra você, é melhor ser um cara legal, senão você não vai ter chance”. Mas vou dizer uma coisa. Venho descobrindo que não levo o menor jeito para Jedi. Nina dizia que eu andava na corda bamba. “Você anda no limite”, ela dizia, “Não tem o direito de ser chato, ainda vai acabar sozinho”. Mas, sinceramente, adianta alguma coisa contar piadas? Então vamos em frente. Lá vai o gordo chato na corda bamba. Hoje, prefiro ser aquele que cospe na farofa, que discute na fila e que manda o gerente das Americanas tomar no cu. Esqueçam as flores e os poemas. Creep já não é minha canção favorita. Hoje solto arrotos, escrevo merda e, se precisar, utilizo meu incrível poder mutante de deixar o clima chato. Quem achar incoerência um gordinho não ser tão legal assim, olha o que aprendi a dizer com o tempo: foda-se. Desculpa o clichê, mas nem o velho Cristo agradou a todas as torcidas, e só agradou algumas porque era loiro e de olhos azuis. Eu queria ver alguma procissão se o Cara fosse gordo e se parecesse com o Ed Motta.

Bem, semana passada, não houve carona na saída da nova agência. Caminhei até o ponto. Fazia uma noite bonita. É incrível encontrar no meio da frieza dos edifícios da Tancredo Neves um lugar tão quentinho como aquele ponto de ônibus. Você sabe, arrocha, pagode, ambulantes, essas coisas. Coloquei o fone de ouvido e botei o player no volume máximo. Ramones. Havia uma putinha com o classificador nos braços. Uma coisa. Pensei em puxar conversa, mas ando grilado com essa verruguinha na pálpebra. Então peguei um churrasquinho de gato para passar o tempo. Macio. Melado na farofa. Churrasquinho com Ramones. Classe A. Depois vi o corre-corre e o corpo caído no chão, bem próximo de mim. Sangue. Corre-corre. Pessoas deitando no chão. Confusão no ônibus em frente. Não fiquei para descobrir o que estava acontecendo. Meu busu apareceu logo atrás. Depois fiquei sabendo. O ônibus da frente estava sendo assaltado e sobrou uma bala perdida. O cara se fudeu. É uma sensação estranha saber que estava tão próximo. Lembrei da piada da caganeira. Lembrei dos meus velhos, o Balão Mágico, a ladeira da Lapinha, o título de 87, o disco Dois, os pátios do segundo grau, o porre de vinho, Creep – Sol , Si, Dó, Dó menor, os ratos de Feira, a velha agência, o yakisoba e o boquete de Nina, o velho Buk, os quartos de hotel, a nova agência, a farofa, o churrasquinho, o sangue. A morte é punk. PA-PUM. É ou não é. E estou vivo ainda. Hey, Ho, 33. Let´s go.

26 comentários:

Guives disse...

Parabéns Paulo Bono. Apesar de gordo, careca e cover do Ed Mota vc é um cara querido pra caralho.

Acredite.

Amanhã eu vou trazer o violão e tocar Parabéns pra você no ritmo de "Os alquimistas estão chegando".

Daquele jeito eu só eu sei tocar. :D

Abraço

Edu disse...

Cara, eu nunca comento, acho que as pessoas de um jeito ou de outro acabam dizendo o que eu diria. Mas esse texto foi particularmente foda: do churrasquinho com Ramones ao hey, ho 33.

Parabéns cara!

Vitor disse...

Velho, seus textos tem ficado cada vez mais espetaculares, meus parabéns!

Quase compensa ficar um mês esperando.

Nana Melo disse...

Bono,

Churrasquinho e sangue na Tancredo Neves...só vc para juntar essa dupla e fazer um texto foda...


Feliz aniversário!

Dexter disse...

Outro dia, estado eu com meus inseparáveis fones, comprei um latão de cerveja no ponto. Schin gelada com Rammstein.
Mas, sem corpos mortos por perto...

Texto muito foda!
Abraço.

Paulo Bono disse...

Guives,
Valeu, alquimista.

Edu,
Valeu, man.

Vitor,
Esse mês foi foda.

Nana,
Saudade, baixinha.

Dexter,
Verdade, os pontos costuma ser mais tranquilos.

abraço a todos

Marcos Satoru Kawanami disse...

eu ia dizer foda-se, mas uma epifania veio em meu auxílio dizendo antes: talvez as pessoas de aparência feia recebem essa externidade para combinar com seu interior igualmente feio; pois tenho reparado que pessoas belas quando jovens, mas de mau caráter, tornam-se pessoas feias na velhice, enquanto que velhos bonitos têm bom caráter. passe a reparar nessa minha estatística. mas eu não creio que Estatística seja uma matéria satisfatoriamente científica.
otimismo: vc ainda será um velho bonito! se deixar de ser escroto. mas o que é chique na tua Literatura é justamente a escrotidão. quê puta dilema joguei na tua mesa, véi.

Mwho disse...

Bono,
Post dos melhores!!!

A viajante disse...

E não é que fiquei pensando que você poderia estar com algum problema? Demorouuuuuuuuu

Amei sua história da verruguinha...grila, não, Bono! Do jeito que a mulherada está (e nessa me incluo), o que é diferente agrada e termina em pizza,ou em churrasquinho(-:

Rodrigo Carreiro disse...

A morte caminha ao lado... é hard a parada. hard.

Pimenta disse...

É o tempo é foda.Vá se foder é a melhor esposta(pelo menos para mim)
E para você, feliz aniversário.

bjo

Mateus Henrique Zanelatti disse...

Feliz aniversário

Careca disse...

Bono, eu vi a foto do episódio na primeira página do jornal, foi bem na semana que estive aí, em Salvador. Quando voltei pra BSB dei de cara com o Ed Motta no aeroporto. E agora você escreve sobre isso... Bom, pelo menos peguei uma insolação e o autógrafo do Ed Motta.
Um abraço,

Bruno disse...

Bela reflexão. E texto foda como sempre.

Esse é o Paulão, alive and kicking!

M. Sarge disse...

Vai por mim, ou creia se quiser, o Velho Ed não deve ter o seu carisma rs

Aristides disse...

Porra, realmente a morte é foda,a violência também,é muita nóia e como o próprio texto,bota o cara pra pensar mesmo.Mas e ai? Amar, fuder,ouvir rock' n roll,beber,viajar,jogar futebol,ler,escrever,tomar banho de mar,porra tem coisa pra caralho para pensarmos nela,VAMOS VIVER!Quanto ao quesito beleza,todos somos belos e feios e como diria Caetano,cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é e tem muitos belos que não escrevem 1% do que você escreve,entâo,VAMOS VIVER PORRA!!!

Paulo Bono disse...

Kawanami,
Se eu chegar à velhice conseguindo fuder, tá bom.

Mwho,
Valeu, chapa!

Viajante,
Meu problema sou eu.

Careca,
Sou fã do Ed.

Bruno,
Seria bom alive, kicking e and fucking...

Sarge,
O Ed bota pra fuder.

Aristides,
Viver? Tô tentando.

Carina disse...

Com tanta merda na vida, em alguma coisa vc tinha que ser bom, né?
MUITO FODA! PQP!

Abração.

Mila disse...

Demorei demais pra vir aqui, dessa vez. O texto tá um dos melhores q eu já li seu. Além do mais, me identifiquei pra cacete, eu estaria na tancredo neves esse horário, esse dia. Não fui pq fiquei doente. E morro de medo de morrer de doença. Parei pra pensar o qto a gente teme o q não podemos controlar. Tava doente, mas se estivesse sã, poderia ter morrido de tiro.
Parabéns, Bono. Vc é muito bom escrevendo, pode ser gordo à vontade. heheh

Paulo Bono disse...

Carina,
Já fui bom em jogar botão.

Milla,
Foi o que eu disse. A morte. É ou não é. Felizmente, não foi pra você.

abraço pra vocês

Alvarêz Dewïzqe disse...

é isso, foda-se.

Jesus disse...

meeeeeeeengoooooo!!! campeão de 87! e todo mundo sabe disso.
falou parceiro!

Marcos Satoru Kawanami disse...

ao que eu pondero: se eu conseguir foder com a mesma mulher até ela ficar velha, posso dizer que sou macho pra dedéu!


=D
Marcos

Nathalia disse...

é melhor viver no foda-se e aproveitar o que puder do que ficar se privando e se controlando simplesmente porque deveria ser assim.
mais um texto muito bom.

Soneca disse...

Marcos,
Aiai. Vocês homens... Vô te contar! (gargalhando)

Bono,
Cara, não sou mt boa em classificar, mas essa de Ramones com churraco me conquistou, nada de floreios, a vida é só essa mesmo e você tem que mandar se fuder o tanto quanto puder!

Já fui quase atropelada por um caminhão, sei como é isso, eu chorei feito a menininhaque sou, ou era. Let's go!

Inté

Fernando disse...

Muito bom seu texto Bono, o segundo parágrafo é sensacional. A mais pura realidade. Parabéns!