29.11.09

Eu Precisava Peidar

Acordei com as facadas. O corpo entrevado e as facadas nas costas. Eram os gases. Já não bastavam as crises no rim, volta e meia me vinham esses gases. Presos ao meu corpo. Esmagando as minhas costas. Levantei. Fui para a internet. Havia um e-mail. Uma putinha dizia que queria me entrevistar para um trabalho de faculdade. Foda-se. Com certeza, ela não sentia as malditas facadas. Era sábado. Eu podia ficar na cama. Eu e minha dor. Mas precisava discutir um jingle na casa do Panela. Passei na farmácia e comprei Luftal. Encontrei Seu Edilson no ponto. Vendia seus pasteis gordurosos.

- Paulão, Paulão, Paulão. E o Mengão, Paulão? Parece que agora vai.
- Tomara, Seu Edilson. Tomara.
- Tá com as costas fudida, Paulão?
- Umas dores aí.
- Ah, já tive assim. Quando caí da balaustrada lá na Barra. As puta que me ajudaram.
- Vou lá, Seu Edilson.
- Sério. Se não fosse as puta, eu tava aleijado.

Conheço Panela de longa data. Amigos de infância. Estudamos juntos. Diz ele que hoje é músico. Ele acredita nisso. Isso que é importante. Então quando aparecem esses jingles baratos, Panela me chama para ajudar nas letras. Assim que cheguei, fui direto à cozinha, pegar um copo d'água para tomar o remédio.

- Essa mulher tá enchendo o saco, Bono – disse Panela –, ela disse que quer um jingle mais picante.
- Manda ela sentar em minha pica.

Conversamos um pouco sobre a letra e sobre o ritmo. E enquanto Panela arranhava o jingle no teclado, fiquei vasculhando seus arquivos de sacanagem. A maioria fotos caseiras. Aquilo de sempre. Putinhas arreganhadas e chupando rolas em quartos de motéis baratos. Putinhas amadoras. Caixa do Bradesco, Aluna de Direito da FIB, balconista da C&A. Depois cliquei em outra pasta. Mais uma caralhada de fotos. Mas as meninas pareciam ser mais novas. Menininhas sem peito. Calcinha de algodão. Em poses estáticas. Aquilo eram crianças. Uma delas não parecia ter mais de nove anos. Gelei com aquela porra toda. E senti mais uma pontada de dor em minhas costas.

- Que merda é essa, Panela?
- O quê?
- Essas gurias? Você é algum tipo de pedófilo, caralho?
- Ah, isso foi um cara que me passou.
- Que cara, porra?
- É de Feira. Você não conhece. Mandou no meio de outras aí.
- E o que é que você tá fazendo com essa porra?
- Eu vou deletar, porra. É porque esqueci.

Panela estava branco. E suava. O Luftal demorava de fazer efeito. Olhei mais uma vez para a foto. A menina não tinha nem pentelhos.

- Panela.
- Hum?
- Eu preciso peidar.

Panela riu e voltou para o teclado. Não demoramos muito. Em resumo, tiramos do jingle a parte que falava de paz e repetimos o refrão mais vezes. Ninguém quer saber de paz.

Deixei a casa de Panela antes do meio-dia. Peguei o busu com a esperança de aparecer algum baleiro vendendo Trident. Um chicletinho também ajuda a soltar uns arrotos. Era disso que eu precisava. Peidar ou arrotar. Nada demais. Nada mais humano. Mas vá sair por aí dizendo que está com gases e precisa peidar. “Hi, ele falou peido”, “Bono, você é podre”. Deixa eu dizer uma coisa. Somos todos podres. Até os bonitos. Pelo menos por dentro. Sabe aquela loirinha rica de olhos verdes e pele de bebê? Pois é. Também peida. Pior. Peida e faz cocô. E digo mais. O cheiro não lembra nada Dolce Gabbana. Pensei em Panela. Nos conhecemos na quarta série. Lembro do primeiro dia de aula. Eu disse, você parece o Topo Gigio. Ele disse, e você é gordo. Lembrei do email da putinha que queria me entrevistar. Ela podia ser gostosa, quem sabe. O ônibus chacoalhava sobre as ruas de Salvador. Eu podia sentir as facadas flutuando pelas minhas costas. Lá fora, vi quando um carinha tropeçou e partiu a sandália. Ele olhou para trás, largou as duas sandálias e seguiu em frente, descalço. Eu sempre quis saber como surgiam as sandálias perdidas pela rua.

31 comentários:

Careca disse...

Bono, mande o pedófilo pra cadeia.

Joana Rizério disse...

também acho, federal nele. E essas putinhas tiradas a entrevistadoras são foda.

Lari disse...

As sandálias perdidas também sempre me intrigaram... E Bono, peido preso é muito foda mesmo!

Marcelo Mayer disse...

vc é o henry chinaski brasileiro

Mel disse...

Dá licença que caguei de rir aqui.

Juliana Canoura disse...

Sempre me divirto com os seus textos,tão sem meias palavras.. adoro isso.

E o que de fato me levou a comentar,foi a alegria de saber que mais alguém compartilha esta dúvida :

'Eu sempre quis saber como surgiam as sandálias perdidas pela rua.'

Eu também,Bono,eu também...

E quicá um dia perca alguma por ai,só pra saber a história de alguma.


Beijo
Juliana
;]

Davi Caramelo disse...

E quando a sandália é uma só. O cara era capenga?

Fernanda Pereira disse...

"Nada liberta mais o ser humano do que peidar"

É Mermo disse...

Porra, Bono!
Que situação...!
Essas dores é má digestão é uma merda mesmo!Outro dia mal podia respirar.
Depois de programas como Bocão, na mira, etc. Ficou escancarado o mundo da pedofilia, está presente em todo lugar.

Juan Cruz

guives disse...

Uma vez eu tava andando ali na praça da piedade e dai avistei uma gatinha, gostosinha de longe.
Ela vinha andando em minha direção. La fui eu na maior pose e tirando maior onda, quando TROPEÇEI E QUEBREI A MERDA DA HAVAIANA. vi a putinha dando aquele sorriso de canto de boca, e eu todo sem saber o q fazer lá, com a porra da havaiana na mão.

É foda isso.

guives disse...

Tem um maluco ai no seu blog q é parente direto de Zé Mayer (Marcelo Mayer). Esse é o verdadeiro filho de Zé mayer, esse é o Zé Mayer que eu conheço. O Zé Mayer do seu ID, do interior de cada ser. Que está na glândula Pineal, no íntimo no mesencéfalo, na base cerébro.

Meu nome é: LUIZ GUSTAVO LEAL

Sunflower disse...

Cadeia, cadeia, cadeia. Essa de que se esqueceu de deletar não cola.

Nick. disse...

Pois é cara... Dizer que esqueceu é queixo!

Vc devia ter se oferecido pra deletar pra ele... Shift+Del! Sem chance de tirar da lixeira depois.

Ric Dexter disse...

Você peidou no ônibus??
Porra, ninguém merece! kkkkkk!

Abraço.

Anônimo disse...

bono, você é podre!

sunflower, baby, te quero.

Jesus

Samarone Lima disse...

Bono, sexta-feira a gente se encontra no lançamento do meu livro?
Com ou sem peido, tomamos umas?
Samarone

Drunken Alina disse...

Parece que seu amigo é mesmo podre da mente.

E no meu trabalho, costumamos um avisar os outros pra pegar recados pra gente ao invés de passar as ligações porque estamos indo cagar e vamos demorar,rs!!!

bjus!

Fábio disse...

Tive um troço desse uma vez, uma dor fodida nas costelas, pensei que tava morrendo, arrotei e peidei e aliviou. Coisa escrota do caralho.
Puta merda nem sei qual seria minha reação se visse fotos dessas no computador de algum amigo, com certeza não ia conseguir manter a naturalidade como você fez.

Abraços.

Anônimo disse...

Lembrando:

Viagem ao Crepúsculo do Samarone Lima será lançado no dia 04/12/2009, às 19:00h, na Mídia Louca.

Yvette

Marcos Satoru Kawanami disse...

"Cadeia, cadeia, cadeia." Essa de que moça bonita faz cocô é difamação!

Moça bonita envasa, e vende nas lojas de importados como compota de apricocô.

E também não peida: faz aerosol de purificador de ar!


=D
Marcos

Fabiano Santana disse...

Finalmente, peidou ou não peidou? Porra!

Mateus Henrique Zanelatti disse...

Dedura esse viado porra!

Rodrigo Carreiro disse...

Crueza humana. É isso ae! Ser humano é estômago e sexo.

Tenório disse...

Meu velho, juro que não é retribuição babaca: mas o Espalitando tb é a melhor coisa que já li por aqui na rede.

Estou no Rio, na casa de uns amigos, cheios de livros, de clássicos. Só aqui ao lado está um do Pessoa, Jabor e Rubem Fonseca. E mesmo assim, fico com seus textos. Esse novo é genial! Gosto como você não conta nenhuma estória em particular mas, ao mesmo tempo, conta várias, é uma crônica bem amarrada, romanceada. Acho isso muito foda, mesmo. A nível de estudo. Estou observando isso, quero aprender a narrar uma trama, mas deixar fluir o rumo de várias outras. Talvez aprenda, mas nunca de maneira tão magistral assim.

Ah, sobre publicar: bora? Sério, você PRECISA fazer isso com mais urgência que eu, meu velho.

Abração

Tenório

Stephanie disse...

eu fico irritada com essa gente que finge não peida e não caga. Que coisa. Não que eu seja adepta de sair por aí explanando, mas negar já é babaquice demais.

beijos!

cschlemihl disse...

Gostaria de criar um virus que registrasse o histórico do computador da vítima e o enviasse, (as conversas de msn, inclusive) a todos os seus contatos.A cópia, também enviada, seria aberta assim que quem recebesse passasse mais de dez minutos espiando o histórico alheio. O meu também iria, claro, mas acho que valeria a pena...

Larissa Bohnenberger disse...

Putz, ninguém merece aquela dor de gases. É um sufoco e tanto...

"Deixa eu dizer uma coisa. Somos todos podres. Até os bonitos. Pelo menos por dentro. Sabe aquela loirinha rica de olhos verdes e pele de bebê? Pois é. Também peida. Pior. Peida e faz cocô. E digo mais. O cheiro não lembra nada Dolce Gabbana."

AMEI!

Anônimo disse...

Opa, brigado pela visita... Vc nem imagina, mas já virei seu fã...Temos um gosto em comum pelo bizarro...heheh.. Abração
oralsemfrescura.blogspot.com

Caio disse...

pera ai.. mulher bunitinha... gostozinha...loirinha peida??? caga??? mais num é possivel uma coisa dessa!só falta vc me dizer agora que Xuxa peida! oras!!

kkkkkkk

muito bom! Luftal é crasse!

::Soda Cáustica:: disse...

"Eu sempre quis saber como surgiam as sandálias perdidas pela rua. "
adoreeei!!

Barbedo disse...

Muito bom o texto XD