18.10.09

Uma Porra de Soja

O ar-condicionado da agência, quebrado. Eu trabalhava os mesmos títulos. Os mesmos clientes. Era sexta-feira em Salvador. Eu não vestia branco. Nem dançaria pagode quando a noite chegasse. Mas esperava dar meio dia. Para bater um gigantesco prato de caruru, vatapá, entupido de farofa de dendê. Quando o telefone tocou. Era o Man.

- E aí, Man – eu atendi.
- E esse almoço, man?
- Tava pensando no de sempre. Lá em Dona Irene. Aquele vatapá fudendo.
- Paty Guaraná achou um lugar novo.
- Detesto esse lance de lugar novo.
- Vamos lá, man. A gente bota o papo em dia.
- Como é o nome dessa porra?
- Acho que é Açafrão, man.
- Açafrão?
- Gergelim. Acho que é Gergelim. Relaxe, man. A gente te pega aí.
- Merda.

Espinafre. Era o nome do lugar. Bem no meio do Rio Vermelho. Onde toda loucura pode acontecer. Para chegar ao local, você tinha que subir uma escadaria de pedras. No meio de uma mata. Mata mesmo. Araras, bicho preguiça, lobo guará, plantas alucinógenas, essas coisas. Lá dentro, tudo em tons pastéis, tudo zen, como eles dizem. No buffet, só havia folhas, raízes, grãos, essas palhaçadas. Botei no prato uma porra de soja, a única coisa que me parecia comestível. O cara que pesava os pratos, ele usava uma bata e tinha uma tatuagem na testa, olhou para mim com aquela cara, "seja bem-vindo, homem obeso, nós temos a salvação para você". Filho da puta.

Sentamos à mesa.

- Porra, Paty – eu disse –, comida vegetariana é foda.
- Pense que isso vai lhe fazer bem, Bono.
- O que é isso aí, man?
- Sei lá. Uma porra lá de soja.
- Olha só, tem até musiquinha – disse Paty.
- Enya – disse Man.
- Quando a gente tava subindo, vocês viram a cara da galera que tava descendo? Pareciam dopados. Em transe. Como se fossem zumbis.
- Vocês tão sentido esse cheirinho? – disse Paty – Acho que é sândalo.
- Sândalo o caralho – eu disse – aposto que eles colocam alguma porra na comida.
- Não começa não, Bono – disse Paty.
- Eu lembro que eu só estudava ouvindo Enya, man. Segundo grau. Bons tempos, man.
- É sério – eu disse –, olhe ao redor, Paty. Aqui só tem porra-louca. Olha aquele carinha, a barba cheia de trança.
- Mas tem umas gatas aqui, man.
- Esquece. Tudo com cabelo no suvaco.
- Gente, vamos pedir alguma coisa pra beber – disse Paty.

Então veio o garçom. Um velho de cabelo grande e branco. Tinha uns sete colares pendurados no pescoço. E acho que também tinha os olhos vermelhos.

- Eu quero um suco de abacaxi com hortelã – disse Paty.
- Suco de laranja, man.
- Uma Coca-Cola, só gelo.
- Não temos refrigerantes, senhor.
- Porra, só tem suco?
- Perfeito, sucos e chás.
- Porra, me vê um suco de limão.
- Perfeito.
- Não precisa colocar nada dentro. Só quero o suquinho mesmo, na manha.
- Perfeito.

Assim que o pajé saiu, continuamos a conversa.

- E esse feriadão, man?
- Eu tô branca demais, preciso de uma praia – disse Paty.
- Vou ficar em casa – eu disse.
- Porra de ficar em casa, man. Vamos pra Chapada.
- É uma boa – disse Paty.
- Porra de Chapada.
- Man, tem cada trilha de fuder.
- Porra de trilha. Eu sou algum sacana?
- Não adianta, Man – disse Paty – Bono não gosta de nada.
- Mas vale à pena, man. A gente encontra cada cachoeira do caralho.

Foi nessa hora que o Gandalf chegou com as nossas garapas.

- Sim, e depois? – perguntei a Man.
- Depois o quê, man?
- Depois da cachoeira, cacete, faz o quê?
- Depois volta pra pousada, Bono! – disse Paty!
- Esse é o problema. Você anda, anda, anda, escala, desce, pula, se fode todo pra encontrar uma porra de uma cachoeira. Grandes merdas. Mas vamos dizer que é uma cachoeira fudendo, linda, essa porra toda. Aí você toma banho na sua cachoeira, beleza, aí depois tem que andar tudo de novo, voltar a porra toda, se fuder tudo de novo. O saldo é negativo. Se por acaso, depois da cachoeira, viesse uma porra de um helicóptero, me pegasse e me levasse de volta pra pousada, tudo bem. Mas não, tem que andar tudo de novo. Pra ficar a noite toda passando Hipoglós no rabo, com a perna pra cima e você...porra, um duende!
- Hum?
- Um duende, porra. Eu vi um duende. Correndo ali fora!
- Ok, nada de Chapada – disse Paty.
- Eu não tô entendendo nada, man. Você quer dizer que tem duende na Chapada?
- Porra, eu quero dizer que aquele velho sacizeiro desgraçado não botou açúcar na porra do meu suco, mas botou alguma porra, algum pozinho maldito, porque eu vi uma merda de um gnomo, um hobbit, sei lá, passar ali fora, correndo, caralho.
- Pra variar, é Bono botando defeito no restaurante.
- Mas você falou a verdade, man. Eu sempre levo Hipoglós quando vou pra Chapada, senão me fodo, uma perna roça na outra aí...

Paty Guaraná e Man continuaram falando sobre as opções do feriadão na Bahia. Falaram mais da Chapada, da praia de Jauá, de uma Choppada em Sauípe. Nada me interessava. Exceto a preferência pelo acarajé e vatapá, acho que não tenho nada da Bahia. Não tenho essa alegria toda. E meu feriadão seria apenas mais um sábado, um domingo e uma segunda. Talvez eu pegasse um filme. Se desse sorte, poderia comer alguém. Era isso que eu queria fazer no feriadão. Porra de Chapada. Eu queria escalar uma bucetuda. Uma mulher com a buceta bem grande para eu subir e descer.

Assim que terminamos de comer, fomos pagar a conta. Era numa espécie de cabana. Cheia de souvenirs, incensos, mandalas, não-sei-o-que-lá dos ventos e panfletos. Vários panfletos de massagens, óleos e bruxarias. A porra de soja deu 16 conto. Essa turma é louca, mas é esperta. Viva a natureza e dinheiro no bolso. Com 16 conto, eu batia dois pratos de caruru em Dona Irene.

- Confesse, Bono – disse Paty – tá se sentindo mais leve?
- Acho que ainda peso meus 120 quilos.
- EU VI, EU VI, EU VI, MAN!
- Viu o quê, menino? – disse Paty
- O duende. Eu vi o duende, man!
- Até você, Man? – disse Paty.
- Tem umas orelhinhas assim, né man? – perguntei.
- Umas orelhinhas de ponta, man. Ele é pequenininho. Correu ali pro canto.
- Tinha um shortinho vermelho?
- Acho que era roxo, um shortinho roxo, man.

44 comentários:

Lari disse...

muuuuuuuuuuito bom! "aquele velho sacizeiro desgraçado não botou açúcar na porra do meu suco, mas botou alguma porra, algum pozinho maldito, porque eu vi uma merda de um gnomo, um hobbit, sei lá, passar ali fora, correndo, caralho"

adoro o nosso modo peculiar de descrever as coisas tão perfeitamente. rs
não tem coisa melhor do que baiano xingando!

um abraço, Bono.

Marcos Satoru Kawanami disse...

Bono,

eu ficava com o sarapatel de Dona Arlete, a dona da pensão em que vivi em Ouro Preto: óleo de dendê à vontade.

mas como é a tal "farofa de dendê"?

mulher com pêlo no sovaco, nada contra. quanto mais porraloca e sem frescura, melhor. mulher que pensa não goza. mulher ser inteligente, é burrice. já o home pensar durante coito favorece, e vc sabe disso.

ué, não falou de putinha nem de punheta desta vez? na cachoeira, leva uma putinha, ora!

fui a uma cachoeira quando tinha 18 anos. fiquei sozinho com uma mulata com o rabo pra cima tomando sol, mas eu era virgem e não sabia o que fazer com aquele monumento. toquei punheta por um mês querendo entender por que eu tinha tanta vergonha em comprar camisinha, e sonhando com aquela bunda.


paz e bem
Marcos

Mwho disse...

Bono,
Esses restaurantes têm uma vantagem: a gente sai leve e pode ir direto à churrascaria ou ao vatapá!
E quanto às cachoeiras, vai ficar rico quem conseguir bolar um sistema de aquecimento ecológico...

Anônimo disse...

Difudê, man. Minha mãe faz uma soja massa, vc devia experimentar. Ehehehehehe.

Amoêdo

Guives disse...

velho, voces podiam bater 0 ou 1 pra ver quem podia ir comprar a coca la fora.

hehehehee

:D

Luciana disse...

Rapaz...e eu achava que só a alienada da Xuxa que via duende. Até você Bono??

Mais uma vez muito bom!! Cada vez mais sou sua fã...mas acho que você deve ser um amigo chato, ou é só propaganda?

Abraço!

Ana Paula disse...

Hy, my Buk

Gandalf, ri muito (você ouviu). Muito bom, bom mesmo.

Love,

Sra. Bono.

Paulo Bono disse...

Kawanami.
Agora não vou tirar essa mulata da cabeça.

Amoêdo,
Vou ficar ligado no cardápido.

Guives,
Se eu, Man e Paty batessemos zerinho ou um, ainda assim quem perderia era você.

Luciana,
Com certeza. Eu sou o cara mais chato do mundo. Ninguem me suporta.

Paula,
Adoro essa foto.

abraço a todos

Shirley de Queiroz disse...

Não foi o suco. Deve ter sido a soja que tava batizada... rsss

J. disse...

porra, bono, caralho!
quando eu for pra salvador, me leva aê nessa parada. nois toma o suco e depois vai pro ximxim ou sei lá como vocês chamam essas porras.

J.

::Soda Cáustica:: disse...

"Exceto a preferência pelo acarajé e vatapá, acho que não tenho nada da Bahia. Não tenho essa alegria toda. "
Me identifiquei.

Vinícius_Alencar disse...

haushauhsuahsuhaushuas!

Bono, cara, entrei no seu blog por acaso, mas gostei muito e favoritei aqui, muito bons os seus relatos do cotidiano!

Cara, você devia escrever um livro, você tem o jeito pra coisa!

Abraço!

Raphael Nara Pereira disse...

Sobre o que vc disse de fazer trilha, Bono, acredite: Há mistérios da humanidade que ninguém explica!

Sarcástica a história!
Ri demais
Abraço

Careca disse...

Aê, Bono!
Pô, sacanearam o suco de limão.
Ou então batizaram a soja.
É por isso que só confio em churrascarias.

Silvia Caroline disse...

é engraçado vc consegue me prender com dialogos!

adoro esses lugares zen haha só que a comida é bem cara!

JuANiTo disse...

O duende deve ter sido um daquels pivetes que vendem amendoin no largo de Santana.

rsrsrs
abraço

beto borges disse...

Caguei de rir!
Muito bom!

Elga Arantes disse...

Meu ex marido tem uma agência de turismo. Quando éramos casados, o forte era o turismo ecológico; esportes radicais e tal. E eu, que odeio andar e preferia sempre ficar no quiosque bebendo uma cerveja, enquanto a galera fazia as caminhadas, as tais trilhas, e iam as cachoeiras, acabava sendo taxada de antisocial. Quando alguém comentava sobre minha sorte em ser a 'primeira dama do reino encantado', eu respondia: "ahã!". Falar o que? A verdade? Optei por ser mentirosa e garantir nossas férias estacionados num quiosque de praia, tomando uma cerveja, provando uns belisquetes e caminhando só pra ir ao banheiro. Vegetal mesmo, só o óleo usado para fritar os camarões, batatas fritas e tal. Eu era mesmo o antimarketing (isso existe?) para ele, coitado! Bom, mas como dizem por aí, o coelho, que corre e pula, vive 15 anos, em média. Já a tartaruga, sedentária e preguiçosa vive 400 e sei lá quantos, mais ou menos. A baleia, que nada o dia todo, come só vegetais é gorda! É a natureza ensinando por exemplos..,kkk.

Um abraço, Bono.

jorginho da hora disse...

PÕ, MAN, QUE SUFOCO. MAS NADA QUE UM BOM VATAPÁ NÃO COMPENSE. HA,HA,HA!

UM ABRAÇO !

Paulo Bono disse...

J.
Que porra de suco!

Vinícius,
Valeu. Volte sempre.

Elga,
Esse lance da tartaruga levantou um pouco minha autoestima.

abraço

Fábio disse...

Comida natureba é muito ruim mesmo, sem gosto total.

Já fui na Chapada, os perrengues do caminho fazem parte da diversão, para quem curte.

Gnomos? Puta merda.

Abraços.

Tuca disse...

é zen, pra limpeza espiritual, comida natureba, mas esse lugar aí no meio da mata do rio vermelho é caro e sujo como a porra.

Sunflower disse...

Dentro de um lado do meu coração mora um velho ex-combatente do Vietnan. Do outro lado mora o gordinho do Southpark, o Cartman.

Puta merda, odeio hippies, odeio.

Quanto ao cabelo no suvaco, imagina como não deve ser a floresta negra em baixo rica em fauna das hippies que vendem bijouterias na praia. Sim, pois elas estão na praia e você já as viu de bikini, alguma delas, uma vezinha só que seja?

Drunken Alina disse...

Hahahahaha!!!

Passar hipoglós no rabo foi foda!

Também sou revoltada com essa merda toda de fazer trilha,acampar,etc.... odeioooo mato, mosquito, insetos!!
Não vou pro mato nem ferrando!!!

Luciana disse...

Espinafre é muito mais legal que manjericão

Rodrigo Carreiro disse...

Man, eu odeio essa ideia do naturebismo. Povo chato do caralho!!

Mel disse...

Eu tenho uma curiosidade tão, mas tão grande de comer vatapá, acarajé, esses pratos típicos da Bahia que tu nem imagina! Toda vez que penso chega me dar água na boca, mas nem imagino o gosto!

Beijo! Texto finíssimo, como sempre, serião!

Paulo Bono disse...

Sunflower,
Só vejo essas molecas de saia.

Luciana,
Não curto nenhum dos dois.

Mel,
Prove, e você vai se sentir orgasmicamente feliz.

abraço

Genérica Paraguaia disse...

Porra de soja - odeio soja!
Porra de folha, saladinha.. esss porras nunca servem. Não dá sangue!
Sobre os sucos com pó mágico... porra (mais uma vez), sexta feira, depois de uma interminavel semana no trampo, salivamos pelo dendê, e dendê combina com coca-cola... Bono, é sério, eu jogaria essa Paty da escada a baixo por ter dado a ideia de ir lá! Isso não se faz! kkkk

Genérica Paraguaia disse...

Ahh, e ainda na lista das porras, eu não entendo essa mania de ir p Capão, Rio de Contas, etc.. odeio muriçoca, mato, trilha e o caralho a quatro. A noite não rende nada porque todos estão exáustos. Prefiro as cascatas na tv!

Larissa Bohnenberger disse...

SENSACIONAL!
Tô chorando de rir, aqui!

CARA ARVORE disse...

AE MINHA GENTE...DÁ PRA SER OBESO E CURTIR A NATUREZA, É SO FAZER UMA FORCINHA,,, VAMO LÁ !

E M1ersoN disse...

CrIa CoRAgEM GOrdo escroTO!

cschlemihl disse...

"Perfeito", man.

Breno disse...

hauhauhauahuahuahau
Era o Frodo passando, man!!
Gandalf que mandou ele te sacanear!!
A torta de bacalhau era gostosa, man, e a gata do caixa valia a pena. hehe
Bom voltar a passar por aqui, tô matando as saudades dos seus textos, um a um.
Grande abraço.

Saulo Ribeiro disse...

de fuder, man.

Fabrício Romano disse...

porra, bicho, maravilhoso. acho que vou pagar pau e montar um lance desse, faz tempo que não posto ficção. Bono, teus textos são foda. Abração.

Mateus Henrique Zanelatti disse...

"Viva a natureza e dinheiro no bolso." Capitalismo, chapa...

Excelente texto!!

Abração.

Juliana Rocha disse...

hahaha Eu conheço esse restaurante! Fica na rua q dá entrada ao Fiesta!!! Muito engraçado la! E o pior é o preço!!! Pagar 16 conto p ver doende? Vc tá doente é porra!!!!!!!!!!!!!!!!!

Patrícia disse...

Muito bom!!! Em minha defesa: não tenho "cabelo no suvaco".

Bjos Bono

gigi disse...

gênio.

Ane Brasil disse...

huahauhauhuahau! porra, Bono, cê é foda!
Muito bom, cara!
"velho sacizeiro..."
Sorte e saúde pra todos!

tenório disse...

Muito bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Foda, foda, foda, foda.

gênio.

tomar no cu!!!

Elas disse...

Restaurante natureba é tudo de ruim pra quem curte carnes e afins...rs..
Trilha só presta se for a dois, pra quem sabe, rolar um clima no meio da mata, na cachoeira...e na descida também!