10.12.08

Rascunho

O dia foi a mesma merda de sempre. Teve um velho amigo que me prometeu um emprego. Mas o resto foi a mesma merda. De qualquer forma lavei o rosto e sentei para escrever. Achei um título – O Dia dos Loucos – mas a primeira linha não valia um centavo. Apaguei e recomecei. Ainda estava uma droga. Apaguei e recomecei novamente. Dois parágrafos. Duas bostas. Apaguei. Lavei o rosto e recomecei. Mas travou outra vez na primeira linha. Talvez o problema estivesse no título. Talvez eu não soubesse escrever. Maldito o dia que achei que eu soubesse escrever. A verdade é que eu queria escrever como se estivesse vomitando. Mas nunca levei um soco do meu pai. Nem passei fome, nem frio, nem dormi com os ratos. Fui uma criança feliz. Daquelas aptas a escrever sobre piratas, caça ao tesouro e beijo no final. Mas eu queria escrever sobre a noite. E sobre brigas de bêbados. Inclusive queria escrever sobre os maiores derrames de cachaça que a noite dessa cidade já viu. Mas fico besta logo na segunda dose. E odeio a noite de Salvador. Eu queria escrever sobre mulheres. Mas comi tão poucas bucetas nessa vida. Nunca comi, por exemplo, uma mulher capenga. Eu queria escrever sobre os loucos. Por isso aquele título. E já tinha até achado o fio da meada quando bateram na porta.

Era o Tijolo.

- E aí, Bono – disse Tijolo.
- Tijolo – cumprimentei.
- Vim pegar o texto da cartilha. Eu trouxe o pen-drive.
- Tá maluco, Tijolo? Já mandei pro seu email.

Tijolo disse, “Ah, tá”, entrou e sentou no sofá.

- Tem visto o Paranhos? – perguntei.
- Vou fazer o concurso da Petrobrás.
- Bacana. Vai fazer pra quê?
- Já sei como vai ser o traço da cartilha. Vai ser aquele da Turma da Mônica. Posso fazer o contorno mais grosso, das Meninas Super Poderosas, eu sei fazer...
- Vai fazer o concurso pra quê, Tijolo?
- ...fica bem colorido. E naquela parte que você botou o garrafão de água caindo eu posso fazer um splash e...
- O concurso, porra! Vai fazer pra quê?
...e posso dividir a página em três colunas...

Sempre foi difícil manter um diálogo com Tijolo. Ele é um ilustrador que conheci na velha agência. Para ser exato, no meu primeiro dia na velha agência. Teve um momento que fiquei sozinho com ele. Eu estava lá escrevendo alguns títulos idiotas quando o escutei rindo e falando sozinho enquanto desenhava qualquer merda no Corel Draw. Eu não conseguia entender o que ele dizia, parecia outro idioma. Mas devia ser engraçado porque Tijolo ria pra caralho. Pensei, porra, é verdade, publicitário é tudo maconheiro. E a verdade é que dizem que a maconha e outras drogas fuderam a cabeça de Tijolo.

- Tijolo, manda essa arte até sexta. Preciso dessa grana, tá ouvindo? Hein, Tijolo?
- Vou me inscrever pra Segurança, nível médio.

Tijolo disse apenas isso, se levantou e foi embora. Maluco de merda. Então voltei a lavar o rosto e sentei no computador. Cheguei a mais um parágrafo. Mais uma bosta. O filho da puta do Tijolo havia cortado meu pensamento. Então mudei o título e escrevi esse texto. Não tem nada demais. Como nunca tem. Aliás, nunca quis escrever nada demais. Um cara até disse certa vez, “Ei, Bono, acho suas histórias repetitivas!”. E eu disse, “Cara, meus dias são repetitivos!”. E um dia desse, um amigo, até o mesmo que me prometeu o emprego, veio me sacanear, “Bono, porra, você chama isso de escrever? Assim até eu! É só dizer, ah, hoje conheci uma putinha, aí depois comi a putinha, aquela sacana! Isso eu também escrevo, seu porra!”. E eu disse, “Então escreva, porra!” É mais ou menos isso. Só escrevo. Escrevo porque preciso. Como preciso cagar e vomitar. Ultimamente escrevo porque não consigo dormir. Se um dia essa merda toda vai ser publicada? Não sei. Se alguém gosta? Não sei. Foda-se.
Mentira, sou vaidoso pra caralho.

Pronto. Acho que terminei mais um.

39 comentários:

Cris disse...

Sempre bom, e dessa vez, não deixe de postar. Censura não pode.rsrs Bjin

Sunflower disse...

você sabe que você é o meu mestre yoda, pra sempre. Pra Sempre.

beijas

Mwho disse...

Os dias, bons ou ruins, se repetem. Quanto aos textos, só os bons podem repetir os temas sem cansar...
Manda o "mala" escrever alguma coisa e posta aí pra gente se divertir!
Abraço,
Mwho.

Dayane Abreu disse...

Você nem precisa inventar nada diferente pra escrever tão bem. Quando eu visitei teu blog pela primeira vez, só não li ele inteirinho porque não sou muito fã de ler no computador. Mas li boa parte, e satisfeita. (Mais que satisfeita, encantada.)

Um abraço

Anônimo disse...

LI SEMANA PASSADA UM LIVRO DE CRONICAS DO FERNANDO SABINO, E LEMBREI DOS TEUS TEXTOS BONNO, CLARO QUE NÃO TINHA "PUTINHAS ' NO VOCABULÁRIO, MAS O RESULTADO APÓS LER ESTORIAS DE HUMOR FOI A MESMA.
SOU VICIADA NESTE BLOG TANTO QUANTO O TIJOLO É EM MACONHA. BEJUS.
tamires

Rodrigo Carreiro disse...

Você é o cara, bono...

o casalqseama* disse...

então, tá, vou contribuir pra tua vaidade: adoooooro os teus textos. é vida real. o cara reclamou? manda fazer igual. duvido!


e o tijolo, hein? fácil sustentar essa criatura! rsrsrsrsrsrsrs

bjão da fê =D

Marcio Sarge disse...

Cara! Eu gosto disso aqui, e gosto do jeito que você escreve e sabe de uma coisa, não pago um centavo por isso, o que é melhor e me divirto.

Eu sei o que é ter necessidade de escrever, também tenho, não escrevo nada de bom, mas eu preciso.

Abraço.

Ric@rdo disse...

Eu sempre achei que escrevo mal pra caralho, mas nunca me importei. Escrevo e pronto! Lê quem quer!
Interessante é que tem quem goste...
Coisas da vida.

Quer um elogio pra massagear o ego? Tu escreve direitinho sim. Hehe! Continue, seja por que motivo for.

Abraço.

jorginho da hora disse...

Velho, me identifiquei muito com tudo isso que vc escreveu sobre a rotina do oficio da escrita. Mas o exercicio da arte é assim mesmo: a gente senta e escreve e reescreve e reescreve de novo até ficar como a gente quer. Esse negocio de só escrever quando está inspiraDO É UMA FURADA. O negocio é sentar e suar a camisa.

Um abraço!

FOXX disse...

eu sinceramente gosto
e gosto mto

Poliana Paiva disse...

Fala pro teu amigo "Assim até eu" que escrever é fácil. Cortar palavras é que é difícil...
Bj

alvarêz drewïzqe disse...

publicar não significa ser bom escritor, não-publicar não significa que o material seja ruim. a verdade, penso, é que saber escrever é um dom maldito capaz de nos tornar a pior das pessoas, mas com mão mágicas.

Larissa Santiago disse...

e quem escreve, no fundo gosta!
:P

Careca disse...

Bono, você está indo bem. Como dizem nas propagandas do João Andarilho, keep going.

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Depois de ler tantos comentarios te elogiando, achei que nem precisava escrever aqui e saí. Me arrependi e voltei. É bom ouvir coisas boas de vez em quando... achei teu blog sem querer querendo e adorei desde sempre.
quando crescer, quero ser parecida com você!
Sucesso!

Renne Boz disse...

Cara, vc é bom com toda essa simplicidade genial!

bjomeliga disse...

Eu já tinha vindo aqui algumas vezes. A Sun que me apresentou. Tenho preguiça de comentar, mas acho seus textos foda.
Se não publicarem, foda-se. O mundo tá cheio de gente ruim que se dá bem e de gente boa que se dá mal. Nenhuma novidade.

o casalqseama* disse...

ei, tem presente pra ti!

o casalqseama* disse...

bono,
consideramos a inteligência [capacidade de articulação, argumentação, interesse pelo conhecimento], respeito e bom humor, os afrodisíacos natos de um "cerumano"! viu onde está a alma do negócio? ao menos do nosso negócio! rsrsrsrs

aí está a quentura do teu blog? ele não é só quente, ele ferve!

rsrsrs

bjão da fê =D

surtana disse...

Mrs Bono,
Please,manda o amiguinho tomar no rabinho!
Eu gosto do que escreves!Gostei antes mesmo de descobrir que és gordo!
Segredinho:Tenho tesão de gordo,inclusive casei com um,que só trocarei se for obrigada,e por outro gordo, com certeza!
Vai pegar umas putinhas e depois me conta,tá?Estarei esperando para ler.
Abraço!

ohvarios disse...

gostei daqui! não conhecia.
visita nosso blog!

=]

Nilson disse...

Isso é que é escrever sobre escrever. Caraca!

Fernanda Pereira disse...

Bono, vc é o CARA.

Adoro seus textos, até qdo vc faz um embromation básico como esse, fica bacana...ahahahaha

PS: Sim, Projeto Deusa...k k k k k k

Beijos

Lela disse...

"Maldito o dia que achei que eu soubesse escrever."

No mesmo dia que pensei isso me dei conta do engano.

gigi disse...

você é um gênio da língua portuguesa.

Pedro disse...

Já que você é vaidoso pra caralho, aí vai: genial o texto, Bono!! Sensacional!! Indescritível!!
(ok, fui irônico pra te sacanear. Mas que ficou bom, ficou)

Abraço.

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Esqueci de dizer que fico puta quando venho aqui e já li o último texto...rs

Ah, obrigada pelo "bonita, mulher"

Atá mais,

Duas disse...

moço de primeira qualidade.

beijos

elisa

Diario da Fafi disse...

rsrsrs
que bom encontrar você...
Tem dias e sempre que é assim mesmo.
quando a gente cisma que sabe escrever é uma foda.
As vezes mal dada.
as vezes bem dada pra ca.

Um beijo.

Tati disse...

Meuuuu não tinha outro apelido para dar pro cara? Tinha q ser Tijolo? Agora fiquei curiosa,sei q esse ser deve existir e deve ser mto engraçado.
...
Esse negócio de promessas é foda, a pessoa fica na expectativa, nós sabemos bem.
Continua a escrever Bono, vc sabe, amo seus textos.
bjU

Pablo Araújo disse...

Velho, vai fazendo as merdas por aí que a gente vai lendo. É por aí.

Adri disse...

Meu...escrever é tão bom, tão mágico e você faz isso com maestria! Adoro seu blog, de verdade.

Bj Adri
http://drikaninha.zip.net/

Samantha Abreu disse...

bom, eu já disse minha opinião uma vez...
tu é o cara das minha crônicas preferidas.

:D

Gabriella disse...

porra, velho. escrever é necessidade básica de quem precisa viver em outra dimensão. e vc faz isso certinho...

Rackel disse...

'Pronto. Acho que terminei mais um.'

=)

Garota no hall disse...

Aê! Uma alma parecida com a minha. Escrever é bom demais, e um pouco de vaidade não é pecado, não.

Rodrigo Abrahão disse...

cara... ainda vou fazer você. ok, soou gay pra caralho essa frase. explicando: é que sou ator, amigo da gigi e acho seu texto foda.

grande abraço!

Anônimo disse...

eu gosto, porra!
abraço,
parangolé