5.5.08

Taco dentro, Bola fora

Pouca gente conhece um corcunda. Digo um corcunda de verdade. Eu conheço um. O Miguel. Um corcunda clássico. Ele tem aquela bolota nas costas e anda todo curvado. Não entendo dessas coisas, mas talvez ele seja mais que corcunda. Porque seus braços e suas pernas também têm problemas. Miguel não anda direito. São passinhos curtos. O movimento dos braços também é limitado. Não sei o que Miguel tem. Para a turma, ele é apenas corcunda. Como acho que deve ser raro ter um amigo corcunda, ter Miguel como amigo é um privilégio. Portanto foi bom reencontrá-lo. Não via Miguel há dois anos. Desde que saí da velha agência. Encontrei na Mouraria. Corcunda e ousado como sempre. “Porra, Mengão, você tá mais gordo!”, “E sua mãe, Miguelito, como é que tá?”. Conversamos alguns minutos. Estava bem, o sacana. Largou o emprego no escritório de advocacia e montou um barzinho, um copo sujo por ali mesmo. E o melhor, com duas mesas de sinuca. Esse é o velho Miguelito Corcunda. Conheci Miguel justamente numa mesa de sinuca.

Foi na sinuca do Chiqueirinho. Um copo sujo que ficava perto da velha agência. Pequeno, chão de cimento, algumas mesas de plástico e duas mesas velhas de sinuca. O proprietário morava nos fundos. Hoje o Chiqueirinho não existe mais. Em seu lugar, estão construindo um flat, uma coisa assim. Mas durante um tempo o Chiqueirinho foi palco de históricas partidas de sinuca. Geralmente, redatores contra diretores de arte. Modéstia à parte, eu e o velho Marcelo Jack éramos os maiorais. Páreo duro, só quando Tilápia, o diretor de criação e especialista em conhaques, fazia dupla com Miguel, o corcundinha do escritório de advocacia do sétimo andar.

Miguel era um corcunda filho da puta. Não sei como, mas ele conseguia jogar. Tinha a manha. Demorava séculos para dar a volta na mesa com os passinhos miúdos, inclinava ainda mais o corpo, mirava, esticava o bracinho e PUUM! Bola seis na caçapa do meio. Assistir a Miguel Corcunda jogar era presenciar um verdadeiro milagre. O pessoal ainda passava a mão em sua corcova para dar sorte. Ele não ligava. “Passa a mão aqui na minha bola que dá sorte!”. Muitas vezes funcionava. Até o Paranhos, um diretor de arte que não jogava porra nenhuma, acertava algumas caçapas depois de passar a mão no corcunda. Eu passei uma vez, deu um azar do caralho, e nunca mais. “Passa a mão na minha bola, Mengão!”. “Vai tomar no cu, Miguelito!”.

Mas havia um bom motivo para eu me tornar amigo de Miguel. Ele era o maior flamenguista corcunda que eu conhecia. Flamengo doente. Quando estávamos fora da mesa, o assunto era nosso time. “Adílio era foda, Mengão. Ô neguinho bom de bola!” – ele dizia. Nesse ponto, Miguel realizava outro de seus milagres. Ele tinha um dom. Era capaz de acertar todos os resultados do Flamengo. Não os placares. Mas sabia se o Mengo ia ganhar, empatar ou perder um partida. Flamengo X Santos pelo Brasileiro. O Flamengo caindo pelas tabelas, e Miguelito: “Não se preocupe, vai dar Mengão!”. Batata. Ou então ele dizia “Se anima não, vamo perder essa!”. A última que ele acertou, antes de perdemos o contato, foi que o Flamengo ganharia a Copa do Brasil contra o Vasco. Eu disse “Porra, Miguelito, essa é mole, até eu sei!”.

Na última noite que estive com Miguel, lembro que as mesas de sinuca do Chiqueirinho estavam em manutenção. Não podíamos jogar, mas ficamos ali. Miguel, Paranhos e eu. Beliscando uma moela e esperando aliviar o trânsito da Avenida ACM. Miguel falava sobre as escrotidões dos advogados, quando Paranhos mudou de assunto.

- Eu queria mesmo era dar uma encaçapada hoje.
- Eu topo – disse Miguel – Tem outra sinuca boa aqui perto.
- Porra de sinuca – bradou Paranhos.
- Acorda, Miguelito – eu disse – Ele tá dizendo “fuder”, justamente o oposto de sinuca. Taco dentro e bola fora.

Foi o suficiente para falarmos sobre mulher e sacanagem. Paranhos contou que comeu a dona de um brega durante um fim de semana inteiro, eu falei da minha foda maluca com uma nega maluca, num barquinho maluco na Ribeira, e Miguel não contou nada. Conversa vai, conversa vem, descobrimos o segredo do corcunda. “Miguel, você é virgem?”, “Fala baixo porra!”, “Quantos anos você tem, Miguelito?”.

- Bicho, olhe pra mim – disse Miguel – Que mulher vai querer trepar comigo? Mulher só olha pra mim com medo ou curiosidade, com aquela cara “Gente, ele é corcunda!”. Ou então com pena, o que é pior. “Aí, pobrezinho, ele é corcunda!”. Que mulher vai querer fuder com uma aberração? Essa porra nas minhas costas pode dar sorte, mas não dá tesão a ninguém. Foda-se. Eu posso viver sem isso.

Bem, Miguel era realmente muito feio. Além de corcunda, tinha uma cara de inseto da porra. Um cabelinho ralo, um bigodinho mais ralo ainda. Um cara como eu até gosta de ter um Miguel por perto porque sabe que não é mais feio do pedaço. Mas é aquela coisa. Miguel era gente fina e, principalmente, flamenguista. Além disso, todo mundo tem o direito de fuder nessa vida.

- Miguelito – eu disse –, olhe pra mim. Eu sou feio pra caralho também. Você só ganha de mim por causa dessa bolota nas costas. Em compensação, sou gordo. E até eu dou minhas fodinhas de vez em quando. Você também pode.

Foi mais ou menos nessa direção que a conversa tomou rumo. Até que Paranhos afirmou que não descansaria na vida enquanto não ajudasse a Miguel a comer uma mulher. E seria naquela noite. Estava decidido. Paranhos estava de carro, iríamos até o Centro e arranjaríamos uma puta para Miguel. “Eu não preciso disso, vou pra casa!”, “Você precisa, fuder é bom demais”. No final, arrastamos o corcunda.

Fomos até o centro da cidade. Paranhos dirigindo, eu no carona e Miguel no banco de trás. O Centro é a área de Paranhos. Ele conhecia todos os cantos e becos. Logo achou uma puta. A menina era bonita. Seu nome era Priscila. Parecia uma paquita. Além de diretor de arte, Paranhos era também um consultor em putaria. Já conhecia Priscila e sabia lidar com a situação. Disse que quem estava no banco traseiro era nosso chefe, e ele queria atenção naquela noite. A puta olhou para Miguel e nem tchum, nem cara de medo, nem de curiosidade, nem de pena. É o que eu digo, profissionalismo é um dom. Então deixamos Miguel e a puta no motel mais próximo. Paranhos pegaria o casal quatro horas depois. Acontecia então outro milagre. Era a primeira noite de Miguelito Corcunda. Foi a última vez que vi Miguel, pois viajei no dia seguinte.

Por isso foi uma satisfação reencontrá-lo. O corcunda estava mesmo muito bem, tocando seu barzinho. Sobre aquela noite, não contou detalhes, mas disse que eu tinha razão, que fuder era bom demais. Então veio a novidade. Disse que uma semana depois marcou com a mesma puta. Na semana seguinte, mais uma vez. Depois, duas vezes na mesma semana. E assim foram fudendo. Até ele convencer a menina a largar aquela vida. É verdade. Os dois juntaram os panos de bunda e foram morar juntos. Hoje, Priscila atende pelo nome de Carla Cristina, a senhora esposa de Miguel, e o ajuda no copo sujo. Quase não acreditei, mas gostei de saber daquilo tudo, que Miguel encaçapou a bola oito e matou o jogo. E o melhor, meu amigo Miguelito Corcunda contou por último: “Mengão, amanhã vamo ser campeão!”.

*Encontrei Miguel no último sábado, 03/05. E como puderam ver, o cara não erra uma. O Mengão levou a taça.

28 comentários:

La Javanaise disse...

Pô, curti essa história. Uma dessas amizades que a gente encontra por aí e nunca morrem.

Legal.

ABx

"Belezas e Encrencas" por um Assessor de Imprensa disse...

Bono,
Amigo é para essas e outras. Virando santo casamenteiro hein!!!

Abraço!

Careca disse...

Paulo,
se eu usasse chapéu estaria tirando ele agora e dizendo "Salve, mestre Bono, grande contador de histórias..."

joana Rocha disse...

Meu blog mudou de endereço:
http://sertra.blogspot.com/

beijos

Sunflower disse...

Não consigo parar de imaginar Miguel se preparando para dar umas "encaçapadas" e pedindo pra Carla Cristina esfregar as bolas dele pra dar sorte.

Beijo, rei.

Rodrigo Carreiro disse...

Esse miguel é uma grande figura realmente. História fantástica, Paulo... Fantástica!

Rackel disse...

Esse cara deve trepar bem, heim!
(rsrsrs)... pq pra conseguir tirar uma puta estilo paquita da zona sendo feio e corcunda...aff!!

... mas o melhor mesmo foi ele ter acertado a final entre botafogo e Flamengo!
Hehehehe!!

Larissa Bohnenberger disse...

Rsss muito bom! O corcunda Miguel transformou a Priscila em Carla Cristina!

A grande frase do texto é "profissionalismo é um dom".

Hehehehe!

Danilo Lemos disse...

Aí, se os seus personagens não existirem, você é um gênio. Se eles existirem, você deve ser um cara feliz.

Mamãe eu quero, mamãe eu quero...
Saudações rubro-negras, meu caro, Bono.

VP disse...

Acho que conheço esse corcunda...

Rodrigo Carreiro disse...

Porra, Bono.. Difudê aquele conto que tu me indicou! Canoismo o caralho! ehhehe

P.R. disse...

miguelito flamenguista deve estar deprimido hoje.

4rthur disse...

quase escorre uma lágrima por conta do emocionante final da história. todo mundo merece trepar, até mesmo Miguelito.

Mas se Miguel tivesse falado com Joel, tlvez ele tirasse o time depois de levantar a taça no domingo e nem fizesse a merda de comandar o Mengão no vexame de ontem...

ps - aqui no Rio chamamos esses botecos de pé sujo.

Bruno disse...

Olha, pra um sujeito corcunda tirar uma paquita dessas da vida, é porque o cara tem um charme a mais. Grande Miguelito!

Bruno disse...

E parabéns pelo Mengão, cara!

alvarêz dewïzqe disse...

Por que não visitou o Corcunda ontem, porra!?

Adriano Caroso disse...

Pena que o cara é Flamengo, mas fiquei muito feliz por ele! Eu sou ruim de sinuca pra caralho. Bem que podia tentar passar a mão na bola de Miguel, mas só na das costas. De resto é taco dentro e bola fora. De fuder! Mais uma vez!

Poliana Paiva disse...

ser puta não é pra qq uma!

Rodrigo Carreiro disse...

Bono,

A idéia de ter D. Canô na lista é justamente essa, ou seja, demonstrar a nossa ignorância de acreditar em qualquer coisa e ao mesmo tempo também nossa capacidade de enganar os outros hehehe

Banana disse...

mal saberia Miguel do resultado dessa quarta-feira passada... vexame de deixar até puta envergonhada!

Stephanie disse...

realmente, o profissionalismo é dom. Outro dia um amigo tava contando que tem um primo doente mental e de vez em quando o cara fica muito tenso e leva o cara na Zona pra ele dar umazinha e ficar mais calmo - só as putas pra dar conta disso, elas sairão de lá direto pro céu!

E acabou que a corcunda do Miguel deu sorte pra moça também, né...

beijo

Fábio Souza disse...

Essa não vale, quanto ao FLA ser campeão carioca até eu sabía...

Agora vou te dizer uma coisa: PUTA, parecendo PAQUITA, na RUA, em SALVADOR e no CENTRO da cidade, realmente você superou a minha capacidade imaginativa (que é de 1Gb). E para complicar mais ainda casou com Miguelito para trabalhar em um copo sujo!!!!!

Lamento informar mas esta estória eu tenho certeza que não existiu, e caso esteja enganado, vou lá na mouraria confimar esta estória e quem sabe conhecer melhor a Carla Cristina.......

Abração Primo.

SAMANTHA ABREU disse...

Caralho!
Teu texto tem a incrível capacidade de não me fazer perder a atenção por nenhum segundo. Além disso, tem a insuperável versatilidade de me fazer sentir melancolia e rir, ao mesmo tempo! Caralho!

Agora, Bono, você tem toda razão quando diz: 'profissionalismo é um dom...'
ahahahahahahaaa.
Adoro ler-te, amigo!

Um beiJO!

Ricardo Cidade disse...

O foda de ler seus textos é saber que é tudo verdade!

Cruela disse...

sei não viu?

o Que falta pro miguel é oportunidade... nada alem disso.

FOXX disse...

'garrei na metáfora como se diz aqui em Minas:
"sinuca o oposto do sexo"
naum consigo parar de pensar nisso
será q terei pesadelos?

Larissa Santiago disse...

ehhh... amigos dos melhoress!!
Miguel se deu de bem :P

Subliterato disse...

véi, seus textos sempre exteriorizam um "do caralho" ao final.. as risadas também, bem audíveis, coisa difícil na frente morta do pc...
abraço.