28.1.08

A Foda Standard

Pegamos o táxi na porta do shopping. Eu comentava qualquer coisa sobre o filme, e Regina não dizia uma palavra. Estava constrangida. Àquela hora da noite, com destino à Av. Jorge Amado, o taxista certamente já sabia que estávamos a caminho de um motel. Ir ao motel de táxi talvez não seja mesmo a coisa mais confortável do mundo. Aliás, não há nada de confortável em ter de se deslocar para foder. Nunca gostei de motéis. Vou quando não tem jeito.

Portaria de motel é o ponto alto da minha incapacidade de tomar decisões rápidas. Aquela tabelinha cheia de quartos, preços, períodos, promoções. Eu nunca sei o que escolher. É como se eu já tivesse que acertar o diabo do ponto G ali mesmo. Pior quando é um motel cheio de nove horas feito aquele, com todo tipo de suíte, da Standard ao tipo Ilha da Fantansia, com cachoeira e o escambau. Então ficam a putinha da portaria e o taxista torcendo para que o lerdo tome logo uma decisão na vida. Como Regina era metida à besta, queria a Suíte Super Luxo. O período era de quatro horas. Eu disse, tudo bem. Suíte Super Luxo. Eu estava fodido. E enquanto o sacana do taxista procurava a suíte, eu já calculava na cabeça quantas fodas eu daria naquelas quatro horas.

O lugar era grande, é verdade. Permitia várias possibilidades de fodas. Sala de estar, sala de jantar, sauna, piscina, cama redonda. Regina devia adorar aquilo tudo. Eu não dava à mínima. Havia também uma tal poltrona do sexo. Com certeza, eu não saberia utilizar aquela porra. A única coisa que me chamou a atenção foi um sofá grande de couro. Imaginei logo que uma das fodas seria naquele sofá. No frigobar, todo tipo de bebida. No cardápio, banquetes pelos quais só os idiotas pagam achando que há algum refinamento nisso. Neste ponto, Regina descia do salto e era muito prática. Ela já havia passado nas Lojas Americanas e comprado uns petiscos e alguma bebida. Para mim, quatro Coca-Colas. Uma para cada gozada.

Mas não deu nem tempo de começar a festa. Eu já estava pelado no meu sofazão quando Regina disse que o ar-condicionado não ligava. É incrível. Aonde quer que eu vá tem sempre um eletrodoméstico que não funciona. Suíte Super Luxo de merda. Ligamos para a recepção e reclamamos. Tivemos de trocar de quarto. E como estávamos a pé, o caminho mais curto até a suíte mais próxima foi através do corredor de serviço. Acho que passamos por quase todos os funcionários daquele motel. Passamos pelas meninas da copa e suas bandejas e também por uns caras que assistiam ao finalzinho do Supercine. Eu cumprimentava a todos, soltava um “boa noite", e Regina seguia travada. Parecíamos mais os supervisores do motel vistoriando aqueles corredores. Alguns funcionários estranhavam, outros cochichavam. Ouvíamos alguns risos. Pensei até ter escutado um “o gordo se deu bem!”. Mas a verdade é que a noite não foi nada excitante. Depois daquilo tudo, Regina ficou um porre. E eu bebi apenas duas Coca-Colas, uma a pulso.

É por essas e outras que detesto motéis. Nunca gostei do sexo programado, endereçado, cronometrado. É aquela coisa, na sexta, a gente vai foder. Abre a porta da suíte e diz, é aqui que vamos foder. O filme foi ótimo, a paella estava uma delícia, mas agora abaixa essa calcinha. E chupa logo que o tempo está passando. Não adianta ir com calma, tentar criar clima, stripteaser, beijinho no pé, essas coisas, porque no fim das contas, é o seguinte, pronto, vamos foder, ok?

Prefiro mesmo a foda standard. A que não precisa necessariamente de espelho no teto. E quando digo foda standard, não me refiro a uma fodinha básica, ao papai-mamãe apenas. Pode ser uma verdadeira foda-Matrix, cheia de acrobacias e efeitos. Mas é aquela boa trepada que rola onde quer que seja e leva o tempo que for necessário. Não lembro de nenhuma foda standard com a Regina. Deve ser porque só transávamos em motéis. E uma boa foda standard acontece ali mesmo no sofá, que não precisa ser de couro, durante o intervalo do jogo. Ou apoiado na máquina de lavar. Ou enquanto a pipoca não fica pronta. A foda standard clássica começa muitas vezes com uma piada ou com um cheiro no cangote, e, de repente, quando você vê, já está fodendo. Motel não tem dessas coisas. A foda standard simplesmente acontece. Ou então não acontece, fica só no dedinho e na vontade.

31 comentários:

Paula disse...

Oi meu Bukowski,

Seus textos nunca foram Suíte Super Luxo - cheios de firulas inúteis e conteúdo frustrante - não mesmo, eles são, com certeza, Standard autênticos: possuem o que têm que terem, para serem simplesmente deliciosos!!!!!!!!!

Com amor,

Sra Bono.

Acantha disse...

Mais um autêntico "PAULO BONO", Paulo!! Muito bom. Muito bom mesmo!

(Estou "particularizando" meu blog, por motivos de força maior. Se você quiser me dar o prazer de continuar freqüentando-o, por favor, me envie seu e-mail para eu convidá-lo? acantha.sirte@gmail.com)

"Belezas e Encrencas" por um Assessor de Imprensa disse...

Eba!
Bacanérrimo te ver de volta.
E os textos, sempre incríveis.

Abraço Bono,

Renan.

4rthur disse...

É meu caro, também não sou fã de motel. Até era, quando era menor de idade. Mas depois, tendo minha casa, meu quarto, minha cama, baixou a bola. Se é pra ser num lugar diferente, que seja numa escada de prédio, numa estradinha deserta que te leva a lugar nenhum, ou num hotel mesmo.

Mas pior do que motel é motel "cheio de nove horas". Dá até saudade da época do ford T, quando não havia "liberdade de escolha". Liberdade de escolha pode ser a maior paumolescência do mundo, principalmente se você encarna um sujeito indeciso (tal qual ocorre comigo). E pior ainda é mulher cheia de nove horas. No fim das contas, as quatro cocas viram apenas duas - e uma a pulso.


Bem vindo de volta à blogosfera. Início de ano dá aquela preguiça, mas aos poucos a gente entra no ritmo e volta a postar como nos bons tempos.

Abraço.

gigi disse...

Texto primoroso, genial. Eu não gosto de motel justamente por ser mulher-nove-horas. Tenho nojinho.

Bono, quando posso ir a Salvador só pra tomar um chopp com você?

beijocas.

Adairla disse...

ADOREI SEU TEXTO!


DEPOIS DE LÊR ESSE TEXTO, VOCÊ NÃO VENHA MAIS ME DIZER QUE SER UM REDATOR NÃO É GRANDE COISA. POIS SEUS TEXTOS ELES PEZAM EM GRANDE MASSA...RSRSR

NÃO, NÃO TENS UMA CRIATIVIDA SUPREMA.

ADAIRLA AMARANTE.

Maz disse...

esse texto foi de foder hein? rs. trocadilho mais idiota, enfim! Tanto faz, tb odeio moteis, gosto daquela foda depois do bar, no caminho pra casa, dentro do carro... é quando a vontade bate e você nem percebe que está no lugar mais inusitado..enfim... rs
motal é uó...

Adriano Caroso disse...

Cara você é foda! Eu conheço demais a Jorge Amado, não tenho nada contra motéis, mas a foda standard é a melhor de todas. E, sem nenhuma modéstia, entendo tudo delas. São uma constante na minha vida e espero que eu continue com gás para elas, pois são o único recurso que tenho para convencer uma gostosa a fuder comigo. Por isso, minha namorada não tem reclamado de mim. Ela também adora!!! rsrsrs. Nunca pensei em falar isso para um homem, mas tenho de reconhecer: estava morrendo de saudades de vc!

J disse...

Exatamente por não ter nove-horas, sempre me achei meio noves-fora no meio de garotas.

Ah, Paulo, não nasci para ser princesa, nem ter coisas presidenciais. Minha risada é alta, pé chato, gosto de coisas sem frescuras, dor-de-cabeça nunca foi problema, acho que esses joguinhos pré-preliminares um torrador da minha santa paciência e que KY fosse um produto desnecessário que a propaganda criou pra tirar dinheiro da gente que nem motel.

Me sentia de fora, porém especial. Até que tive que fazer um exame médico e a minha testosterona deu a cima do normal. Então, especial o caramba, meus hormônios que tavam fodidos.

Tá vendo como não era só eu que estava com saudades, eu só era a mais agressiva p/ que vc voltasse, vou culpar a testosterona tb por isso.

Anônimo disse...

Pô, Paulo. Tem que aproveitar o que o taxi, a putinha da portaria e o motel tem de melhor... a putaria. Sacaneie com a sacanagem, tire proveito da situação e faça disso um momento estimulante. Depois seja bem canalha pra compensar. Até porque, disfarce por disfarce o objetivo final é fuder mesmo. Então pq esconder suas boas intenções? Tem um amigo que alugou um apezinho, em cima de uma clínica médica só pra trepar com a namorada. Já levou até a médica pro matadouro. Cada vez que ele convida alguém pro ap ele pensa:"É aqui que vamos foder. O filme foi ótimo, a paella estava uma delícia, mas agora abaixa essa calcinha. E chupa logo que o tempo está passando.Daqui a pouco vou dormir com a enfermeira ai de baixo". Nada é perfeito, inclusive o ar condiconado.
abraços e parabéns pelo texto.

LORA disse...

MEU QUERIDO TU SABE NÉ ???MANIACA POR SEXO COMO EU NÃO EXISTE!!!KAKAKAKAKAKAKA MAIS, CONTUDO ,ESSES DETALHES SÃO TÃO MINIMOS E PRESENTES QUE MUITAS VEZES PASSAM DESPECEBIDOS .QUE ENGRAÇADO SÓ VOCÊ ME FEZ ATINAR PARA ISSO E OLHE JÁ TIVE CADA EXPERIÊNCIA DE LASKAR VIU !!!! MAIS O QUE REALMENTE VAI IMPORTAR MESMO É SE O PAU NÃO VAI CAI NÉ KAKAKAKAKAKA BEIJÃO VOCÊ É MASSA COM ESSAS HISTORINHA QUE MECHEM LÁ NO MEU TÚNEL DO TEMPOOOOOOOOOOO

Fabricio Fortes disse...

muito espirituoso.. boa fluência com as palavras..texto bom de ler.. voltarei mais vezes a esse lugar

Fabricio Fortes disse...

cara.. teu comment repercutiu no meu blog (só pra te dar direito de resposta).. um tal de walter - acredito que seja um inimigo teu - mandou ver.. dá só uma olhada

Fabricio Fortes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
disse...

Eu tbm sempre achei motel um troço estranho. Um negócio artificial... não gosto tbm.

Mto bom texto, menino. Mtíssimo bem escrito.

Deivis disse...

Paulo, do CA RA LHO é pouco para o blog. Muito bom mesmo, primeira visita e as voltas já são previstas.

Abraço grande.

Fábio Souza disse...

É eu acho que uma visitinha ao motel "de vez em quando" para gastar o dinheiro que você não tem até que cai bem....... mas sem programação, um evento espontaneo, daquele que sem querer estamos passando pela Jorge Amado e derrepente, não mais do que derrepente, "ói a placa do bendito motel" então dar-se a meia volta e sem titubéios escolhemos a SUITE STANDART e a foda acontece na própria garagem da suite "a la STANDART"

Abraços Primo.

Bianca Feijó disse...

Rsrsrsrss...sempre dou muita risada por aqui.
Ah, vai, motel não é tão ruim assim, acredito que as pessoas fazem o lugar...e vamos combinar, essa Regina é de broxar!

Beijos Bono!

Ane Brasil disse...

Bah, cara, morei com os velhos até os 28... fui assídua em váááá´rios motéis da cidade.
Sem crise, véio, é só não enrolar muito.
Ah, mas, cá entre nós: uma foda standart é o quê há, com cerveja!
hehehe
Sorte e saúde pra todos!
(porra, véio, agora vê se não some mais, caraio!)

SAMANTHA ABREU disse...

putz! que saudade que tava de ler-te.
E mais uma vez termino teu texto com um sorriso delicioso na boca.
É bom demais ler isso, Paulo!
Sexo é sexo puro... nada de maquiagem, roupagem, contagem... não é?! Eu acho!
Texto du caralho!

Um beijoOO!

Marcos Carneiro disse...

Demorou mas valeu a pena. Abs.

Bruno disse...

Standard é o que há! Texto foda, com o perdão do trocadilho.

Abração

Anônimo disse...

hahahahahaha.. adorei isso. Eu também não gosto muito de motel não, muito programado mesmo. Teve uma vez que eu cismei que tinha uma câmera atrás da parede de espelho no quarto. Acabou a noite, né? hehehehehe Beijos, Adri

http://drikaninha.zip.net/

4rthur disse...

caralho, o you tube tá "pipocando" (com trocadilho, por favor) de vídeos de porradaria no carnaval de salvador. espero que tu tenha passado longe dessa realidade.

alvarêz dewïzqe disse...

E ainda ficar olhando o relógio pra não passar da hora! muito bom "João Antonio"

Marcelo Mendonça disse...

Nada como um bom texto para começar o ano, pois agora sim, é dada a largada de 2008. abração Bono, ri muito com o texto.

Duas disse...

motel é foda. ou não, enfim.
a questão é que trepada programada realmente é uma merda. e em motel, pior ainda. lugar estranho, luzes horrorosas, sons alheios, lençóis de procedência duvidosa. você tem razão. a máquina de lavar é melhor:)
texto bom demais, viu? vou ler os outros também:)

Padre Alfredo disse...

depois de chegar de táxi e desfilar a dois pelos corredores do Motel... vá se fuder foda standard!
Que me desculpem as 2 coca colas, mas a história tá muito gozada.

Jota disse...

Esse negócio de motel é pra quem gosta de brincar com consolo, ou pra quem mora com a mãe. E olha que depende muito da mãe.

Eu milito em defesa da Foda Standard. Com direito a camiseta, bottom e tapa na bunda.

Stephanie disse...

eu, que também já manifestei meu ódio aos motéis, adorei esse texto Paulo.

a simples idéia de pagar por um lugar pra poder transar é péssima. Fora a questão de horário pra sair, aqueles colchões com cobertura de plástico qua fazem barulho, a impessoalidade do ambiente...

essa sua definição de standart é ótima!

viva a foda standart! e coitada da moça que só trepa em motel...

Rackel disse...

'Foda Standard'?!?! hauuhahuahuahuahua

Adorei esse novo conceito de foda!
rs
Mas aí... é sério q vc acha motel uma coisa assim tão ruim?!