22.9.07

A Prateleira

Admiro o profissionalismo. Parece sinal de nascença para alguns. Como Gaguinho. Ele cumpre os dizeres de seu cartão de visitas – Antônio dos Santos. “O Gaguinho”. Marceneiro. Preço, Prazo e Qualidade – e chega por volta das dez. Conforme o combinado. Veio terminar o serviço. Instalar a prateleira que lhe encomendei. Uma prateleira nova que há muito tempo meus livros reclamam.

- Tu.tu.do beleza, gordinho?
- Tudo na manha, Gago. Bote pra fuder.

Deixo Gaguinho com seus pregos e vou até a cozinha. Preparo, sem jeito, um chá de hortelã com capuccino. Ando viciado nessa coisa. Volto e ofereço uma xícara a Gaguinho.

- Que.que.é isso, ordinho?
- Beba essa porra, Gago.

Gaguinho experimenta a bebida e aprova. Detona em um só gole.

Ao som de uma fudareira, resolvo checar os e-mails. Há um pedido de freelance. Mas vem de um filho da puta mau pagador. Deleto. O resto é o de sempre. Putaria. Os caras não param de enviar putaria. A maior parte é de fotos amadoras. Nada extraordinário. Apenas uma morena peituda de cabelos cacheados me lembra uma nativa da ilha de Barra do Pote. Uma menina danada. Aproveito também para ler alguns blogs. Muita coisa boa. Alguns me fazem rir. Outros são como tapas na cara. Outros me despertam inveja. Minha leitura chega ao fim quando Gaguinho avisa que terminou o trabalho.

- Vê se.se gostou, ordinho.

Ao que parece, a prateleira fica do jeito que eu a imaginei.

- Muito bem, Gago. Tá ótima.
- Me arranja uma va.va.vas.soura que eu lim.lim.po isso aqui.

Trago a vassoura e a pá. Enquanto Gaguinho varre algum pó pelo quarto, penso em puxar conversa. Talvez por puro preconceito deduzo um assunto em comum com o marceneiro Gaguinho.

- E aí, Gago. Vai ver seu Bahia hoje?
- Po.porra nenhuma. Sou.sou Bahia não.
- Vitória?
- Nenhum nem.nem.nem outro. Eu sou.sou.só gago.
- É, acho que você é feliz assim.
- Vo.vo.vo.cê é Fla.Flamengo, né, ordinho?
- É, além de gordo, sim.
- Eu até go.gos.ava de fut.e.bol. Mas hoje não.não gosto mais não. Eu era Vi.vi.tória. Mas hoje não sou orra nenhuma.
- Qual foi o caso?
- Go.gordinho, eu ta.tava numa obra lá no.no ampo do Vi.vi.vitória.
- Barradão.
- Isso, arradão. Fo.foi na. naquela época que Be.be.beto jogava. Lem.lembra?
- Sei.
- Po.po.pois então. Fo.fo.foi nessa época. Eu ta.ta.tava aju.ando na obra. E te.teve um dia que tava esse Be.be.beto con.conversando com um dos homens. E eu ava de junto. Eu ava co.co.colando cimento assim na ar.ar.arquiban.bancada. Eu ava assim como nós aqui e eles ne.nessa por.porta. Ordinho, sa.sa.sa.be o que eu ouvi aquele sa.sacana falar? Ele fa.falou pro homem que da.da.daquele je.jeito não dava por.porque se.se.se.setenta mil não da.da.va pra ele sobreviver com a fa.fa.familia dele.
- Porra, Gago.
- Sa.sabe o que eu fiz, go.gordinho? Ju.juro por.por Deus. Eu pe.pe.peguei minha coisas, dali mesmo, e fu.fui embora. Nem olhei pra trás.
- Caralho, Gago. Você botou pra fuder.
- Eu sou.sou. algum sa.sa.sacana, ordinho? Pra.pra ou.ouvir aquele fi.filho da puta fa.lar que não dá pra vi.ver com se.se.setenta mil?
- Esses caras são uns escrotos.
- De.de.depois desse dia, nun.nunca mais eu quis sa.saber de fu.futebol.

Gaguinho me entrega vassoura e a pá ainda com o ódio vivo dentro dele. Esse é um homem de princípios, eu penso. Entrego a Gaguinho o restante do pagamento e o levo até a porta.

- Gor.gor.dinho, qual.quer coisa, ta.ta.tamos aí.
- Pode deixar, Gago.

Volto ao quarto ainda pensando na revolta de Gaguinho. Bebeto é um bom filho da puta mesmo. Ele já havia traído o movimento punk quando trocou o Flamengo pelo Vasco. Esses caras ainda utilizam o tal profissionalismo como desculpa. Esqueço um pouco a raiva observando a minha mais nova prateleira. De perto, percebo que acabamento não é o forte de Gaguinho. Tudo bem. O sacana do Bebeto também não ajudava na marcação e ainda queria receber mais que setenta mil. Além disso, é uma prateleira correta. Bem resolvida. Feita pelo profissional Antônio dos Santos, o Gaguinho, onde vão caber perfeitamente meus livros. Por sinal, vejo que realmente tenho poucos livros. Passei a vida toda vendo TV. Devia ter seguido o conselho de meu pai. Ler mais quando garoto. Talvez hoje eu pudesse escrever tão bem quanto àqueles blogueiros. Preciso adquirir alguns títulos. Conhecer novos autores. Mas os livros estão caros. Penso em arrumar a prateleira. Mas bate a preguiça e resolvo deitar. Ligo a TV. Está passando uma maratona de Seinfeld. Bacana. Assisto até dormir e sonhar com uma morena peituda de cabelos cacheados.

27 comentários:

FOXX disse...

talvez o bebeto precise de setenta mil para comprar livros, eles andam realmente mto caros...

Jana disse...

Gostaria de informá-lo que não é pq o sr. escreve bem pra caralho, ao ponto de me fazer querer dá um tapa nas costas do gago para ele falar mais rápido. E tb não é pq vc gosta de Seinfield que é o único programa que consegue me fazer reservar uma horinha na semana e ficar quieta em frente a TV e nem pq vc montou um fã clube pro ganês, mas por isso aqui ó: "Ele já havia traído o movimento punk quando trocou o Flamengo pelo Vasco. " , vc se tornou o meu gordo, rubro, safado favorito.

Beijo!

Paulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SAMANTHA ABREU disse...

Nossa.. mas só 70 mil? isso não dá nem pra gelada do fim de semana!
ahahahahahaa

Não sinta inveja dos bloques que existem por aí... o teu é bom pra caralho!

beijos!

Mississipi disse...

Seinfeld é bacana. Acho que já decorei todos os episódios.

E o blog também é bacana

E guardo meus livros naquelas estantes de repartição, você sabe, feitas de metal vagabundo.

Joana Rizério disse...

voce ja escreve tão melhor que a maioria dos blogueiros.
como diz bukowski, desconfie dos que estao sempre lendo livros. e porra, gordinho, voce bo-bo-ta pra fuder. bjo

"Belezas e Encrencas" por um Assessor de Imprensa disse...

Aposto que mesmo não tendo seguido a risca os conselhos do seu pai, você já tem textos bacanas o suficiente para botar pra fuder e lançar um livro.
Ah, mostrei o da 'Pierre Cardin' pro meu velho e ele riu pra caralho, disse que tudo aquilo já aconteceu com ele tb!

abraço man,

poupéezinha disse...

Risos figurita-- !!!! Delícia de texto..
E eu reservo sempre uns minutos da minha semana pra fuçar nas suas crônicas, deliciosamente bem escritas. Vou concordar com joana, citando Bukowski- inclusive pq me parece muito natural pra vc escrever.
Bj!

gigi disse...

o melhor, como sempre. sim, o teu blog me faz rir, me dá na cara e me mata de inveja.

bono, vai na livraria berinjela! é um sebo limpinho. tem no rio e tem aí.

ah, talvez vá pra salvador na sexta. confirmo até quinta!

beijocas.

4rthur disse...

Go-gostei pra ca-caralho do ta-ta-to-texto.

ACANTHA disse...

Inveja tenho eu da fluidez nos seus textos...

Danilo Lemos disse...

Filha da Puta! Pelo menos tu é flamenguista. Pq se um corno que escrevesse tão bem com vc fosse vascaíno era o momento de pensar em suicídio. Ou comprar todas as temporadas de Seinfeld.

Menáge à Trois disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Melhor que ler seu blog é escutar a jana falando o nome dele, dá vontade de dar um tapinha nas costas dela. hehe Eii, além de mulher pelada, eu sou morena de cabelos cacheados, será que vc anda sonhando comigo???
Adoooorei o post.
Ps( Não sei escrever em gago)


Como ninguém

Isadora A. disse...

"a prateleira", "morena peituda dos cabelos cacheados" e por ai vai...

e depois me perguntam pq eu volto aqui sempre... !

(adotei esse texto pra mim. agora é meu!)

Marcelo Mendonça disse...

Já tava quase pedindo o contato de Gaguinho, mas o acabamento tem que ficar muito bom, que nem os seus textos. abraço Bono.

gigi disse...

me fodi. vou trabalhar no sábado.
adeus, salvador!

Hanne Mendes disse...

Tenho certeza de que, se o personagem-narrador do texto pudesse ler esse blog ia ficar triste de não escrever como vc.

Chá de hortelã com capuccino, tá ai algo que eu nunca tomei.

Se puder, mande um abraço para o Gaguinho, simpatizei.

Abraço.

4rthur disse...

seinfeld é maneiro pra caralho.

she is a lover of life, but a player with paws disse...

E a primeira vez que to passando aqui,e tenho que dizer, adorei tua cronica! show de bola, carinha. Continue assim, e a gente se ve depois - com ctz eu volto.

Luana disse...

aew bônus!!!!
como foi a primeira vez que passei por aki e só li um texto, vo deixar pra fazer um comentrário mais inteligente depois ^^

mas continue escrevendo e apoio a publicação! \,,/

BABI SOLER disse...

não precisa comprar livro nenhum, nem se aperfeiçoar em nada.
Isso aqui é bom demais e foi a primeira vez na vida que tive paciência pra gago (sem preconceitos!).
Beijo.

BABI SOLER disse...

Esqueci: posso linkar?

Croma disse...

Bono, desculpa em ter lhe deixado alguns dias no vácuo.
Mas andei lendo cautelosamente esta sua última cartada.
Foda cara... Mas ainda há tempo para reverter a situação.
Eu acho que você é um sujeito extra-ordinário e não de extrema lenga-lenga. Se eu fosse você, não começaria por Kafka e nem tão menos por T.S. Eliot, Sartre e companhia limitada: os malditos já resumem todas as perdas e o tempo de vingança. "Canalhismo" e sinceridade são fatores predominantes para sobreviver (digo isso por mim).

Até logo.

Marcelo Mendonça disse...

Você é retado mermo!
manda o texto pra esse
marcelomendo@gmail.com

abração

alvarêz dewïzqe disse...

to lendo o que tu escreve. massa mesmo. sem críticas ou avaliações literárias. massa o que tu escreve.

Ane Brasil disse...

Po-po--porra me-eu!
esse aginho é um ca-ara responsa!
Sorte e saúde pra todos - menos pro bebe-eéto, esse fiadaspú!

Duda Bandit disse...

isso poderia ter acontecido comigo... sempre passa o mesmo tipo de coisa pela minha cabeça nestas ocasiões.

acho que a TV te educou bem pra caramba e adoraria ter escrito este texto.